Alentejo – Mértola

Alentejo - Mértola

Cá fora, sob uma luz intensa reflectida nas paredes claras, Mértola mostra-se semelhante a muitos locais do Alentejo, com as ruas engalanadas de laranjeiras, pequenos comércios com os produtos locais e trânsito lento. Mas, aos poucos, conforme se entra na zona muralhada e se pisam as gastas lajes, uma história grandiosa revela-se sob os nossos pés e olhos, desmentindo a aparente pequenez do burgo.

É bom viver no Alentejo!
http://www.facebook.com/alentejo.pt

Alentejo – A força da terra

 

No Alentejo, a força da terra marca o tempo.

A amplitude da paisagem é entrecortada por sobreiros ou oliveiras que resistem ao tempo.
E por muito que se conheça há sempre mais por conhecer!

É bom viver no Alentejo!
http://www.facebook.com/alentejo.pt

Algarve Rural


Concentrar o Algarve em apenas uma marca requer um exercício que nos deverá levar “allém” do óbvio. O Algarve não é só litoral, é também barrocal e serra.

É bom viver no Algarve.
http://www.facebook.com/algarve.pt

A agricultura está de volta

A agricultura é uma questão de segurança nacional. Vítimas das reformas da PAC, nos últimos 20 anos temos vindo a perder cultura de território, que demorámos centenas de anos a adquirir. Temos gradualmente abandonado a agricultura e vimos as nossas reservas estratégicas reduzidas a números assustadores.
Assumimos uma vocação florestal, que foi importante para a economia a curto prazo, mas devastadora para o território a médio/longo prazo, como tem demonstrado os últimos anos, em que vimos boa parte do território nacional a arder e os solos, já de si pobres, a empobrecerem ainda mais.
A boa notícia é que a agricultura está de volta. Os novos agricultores são pessoas que voltam a ter uma grande cultura de território e visão a longo prazo, da importância da agricultura para o seu país e para o seu legado.

Um sonho holandês no Alandroal

Há um novo turismo rural no Alandroal. Criado por um casal holandês, o Monte do Peral, em Montejuntos, abriu portas esta semana.

“Nós realizámos aqui o nosso sonho. Viver num clima agradável, rodeado por uma cultura e paisagem fantástica. Encontrámos esta herdade com azinheiras e construímos o Monte do Peral.” É assim que resumem a experiência Marianne van der Poel e Jos Dams, um casal de holandeses que acaba de inaugurar o Monte do Peral, um empreendimento de turismo rural, junto à aldeia de Montejuntos, no concelho do Alandroal, Évora.

Novos Rurais – E VOCÊ… AINDA VIVE NA CIDADE?

Novos Rurais é o nome criado para designar uma nova classe de pessoas que, tendo nascido na cidade, optam por viver no campo. Geralmente são amantes do campo. Tendem a aproveitar o melhor de ambos os mundos e “levam” algum do conforto que têm na cidade para o campo.

Milhares de alfacinhas,renderam-se à vida no campo

Milhares de alfacinhas (e não só) renderam-se à vida no campo e desceram a avenida da Liberdade para ver vacas, porcos, pepinos e tomates.

A Festa da Quinta, em que os visitantes eram convidados a fazer um piquenique, terminou com um concerto de Tony Carreira, a que assistiram milhares. Para o vereador dos Espaços Verdes, José Sá Fernandes, a adesão das pessoas é “um indicador de que é necessário incentivar a criação de hortas urbanas“. O autarca acrescentou que perante o interesse demonstrado pelos visitantes “a mostra de alimentos funcionou como uma autêntica aula”.

Numa reprodução do mundo rural, a mostra contou com 5500 talhões, onde 32 produtores nacionais mostraram o melhor que se produz no país. Eunice Silva, presidente do Clube de Produtores da Sonae (empresa que realizou o evento), precisou que “desde 1998 as compras a produtores nacionais ultrapassaram os 1100 milhões de euros”.

Entre os visitantes, os espaços destinados aos animais foram os mais concorridos. Junto das vacas, Manuel Carvalheiro referiu que foi à avenida para “matar saudades da juventude”, quando, em Pinhel, ajudava os pais no campo, trabalho que viria a abandonar aos 25 anos, quando foi para Lisboa trabalhar como motorista.

Vegetal com má fama, por ter sido associado à propagação da bactéria E.coli, o pepino foi também exposto em Lisboa. Eunice Silva referiu que não houve qualquer receio da organização. “Os nossos clientes sempre demostraram confiança nos vegetais nacionais”.