Alentejo – Mértola

Alentejo - Mértola

Cá fora, sob uma luz intensa reflectida nas paredes claras, Mértola mostra-se semelhante a muitos locais do Alentejo, com as ruas engalanadas de laranjeiras, pequenos comércios com os produtos locais e trânsito lento. Mas, aos poucos, conforme se entra na zona muralhada e se pisam as gastas lajes, uma história grandiosa revela-se sob os nossos pés e olhos, desmentindo a aparente pequenez do burgo.

É bom viver no Alentejo!
http://www.facebook.com/alentejo.pt

Os dias que correm – Em modo de sobrevivência

Andamos por aí blindados, brincando aos carros de assalto, cada um a pensar na melhor estratégia para defender os seus interesses. Fala-se e ninguém realmente escuta, impacientemente à espera da sua vez de falar. E depois… todos têm tantas opiniões para dar e tanta razão no que dizem!
Quando as coisas azedam, do assunto em discussão passa-se para o ataque pessoal e lá vão mais uns entrechoques, uns riscos e uns arranhões. Fala-se de coisas que nada têm que ver mas há que saber que, em modo de sobrevivência, os egos disparam sem raciocinar sobre tudo o que mexe. E os minutos e as horas passam… nada se decide… nada se conclui. Vai-se lavando roupa suja. E à mão!
Geralmente está tudo muito mais empenhado em ter razão e fazer valer o seu ponto de vista – custe o que custar e sem olhar a meios – do que em ouvir todas as partes, ponderar a melhor solução e chegar a um consenso. Alguns opinam mesmo só por opinar, porque ficar calado é sinal de não se ter opinião – fica mal. Por isso, quando chega a hora de tomar decisões – daquelas que não podem ser adiadas – está tudo exausto e desgastado. Decide-se então à pressa, tendo em pouca conta o que foi dito, porque tem de se chegar a alguma conclusão e já é tarde!
Escute o seu coração!Portugal sem Prozac
Procuramos gente positiva e feliz
http://www.facebook.com/portugalsemprozac

Querença – Algarve

Situada num monte fica a aldeia de Querença que dá o nome à freguesia, que já pode caracterizar-se pela transição entre o Barrocal e a Serra. As casas descem pela encosta em todas as direcções, situando-se bem lá no alto a pequena e bonita igreja, orgulho das gentes de Querença. É nesta freguesia que se destila um dos mais afamados medronhos e se produz o mais apreciado chouriço, para além de outras tipicidades. A Festa das Chouriças constitui, entre outros, um dos pontos mais altos das festividades que em Querença se realizam anualmente.

Esta pequena povoação conserva boa parte da sua traça tradicional. Num dos seus extremos existe uma nora tradicional recuperada e nas proximidades fica uma das jóias da paisagem algarvia, a Fonte Benémola, onde se conserva um dos melhores exemplos da vegetação original do Barrocal, zona de transição entre o litoral algarvio e a serra.

É bom viver no Algarve.
http://www.facebook.com/algarve.pt

Xarém de Conquilhas

No Algarve a farinha de milho faz-se triturando os grãos na molineta, a mó natural herdada dos Romanos. Este milho mal moído é aproveitado para fazer xarém, as papas de milho comuns a toda a bacia mediterrânica. Há ainda um ditado popular que diz que “Um Olhanense passava / Muito bem para onde fosse / Com um prato de xarém / E uma batatinha doce.”

Composto por conquilhas, farinha de milho, tiras de toucinho fumado, fatias de pão cortadas aos quadradinhos, água, azeite, cebola, coentros e sal. As conquilhas, após lavadas, devem ficar numa tigela, cobertas com água do mar ou água doce com bastante sal durante 4 a 5 horas. Num tacho coloca-se o azeite e a cebola picada a alourar, espalha-se a farinha de milho lentamente e vai-se mexendo ao mesmo tempo, ficando a ferver durante 15 minutos para fazer o xarém. Frita-se as tiras de toucinho e os quadradinhos de pão em azeite, retira-se da frigideira e reserva-se. Na mesma frigideira abrem-se as conquilhas, junta-se o toucinho, o pão frito e os coentros picados ao xarém, rectifica-se de sal e serve-se.
É bom viver no Algarve.
http://www.facebook.com/algarve.pt

Serra de Monchique – Algarve

Aprecie a arquitectura, tradicional nas paredes brancas, cantarias e típicas chaminés de saia do casario de Monchique. As ruas íngremes e estreitas da vila desvendam diferentes panoramas sobre a serra.
Suba 902 metros e chegue ao ponto mais alto da serra e de todo o Algarve – o Pico da Fóia.

É bom viver no Algarve.
http://www.facebook.com/algarve.pt

Praia do Amado – Aljezur

Hoje… é dia de surf !!!

Considerada uma das melhores praias portuguesas para o surf, a Praia do Amado é procurada por praticantes de toda a Europa, sendo muitas vezes palco de provas de competições internacionais.
Surfistas e praticantes de BodyBoard onde estão ????
Aljezur and Praia do Amado Surf Paradise

É bom viver no Algarve.
http://www.facebook.com/algarve.pt

Sintra, Portugal: Part four of four great little places

 

 

 

 

 

 

 

 

CHARLOTTE, October 4, 2011— “Half the fun of travel is the aesthetic of lostness.”  Ray Bradbury, the prolific science fiction writer, couldn’t have been more accurate.

 

National Palace of Sintra

This is the fourth, and final, installment of a brief series of articles focusing on out of the way, unknown places that I have discovered in my quest to visit 100 countries or more before I die.  Each location was previously unknown to me, but they have become my personal secret treasures if am ever fortunate enough to return.  Hopefully this will inspire you to “discover” your own hidden gems of travel.

Sintra, Portugal:  This hillside village may have more castles, gardens, museums and scenery than any town its size in the world.  Sintra is distinctive because it is a must-see destination for travelers toLisbon, but remains relatively unheard of for many travelers.  Thanks to its stunning 19th architecture, Sintra is a UNESCO World Heritage Site with no less than six major attractions.

Located less than an hour by train from the Rossio Station in Lisbon, the hillside village of 33,000 residents features parks and gardens that compliment the magnificent palaces and castles to the delight of any visitor.  Two highlights are the 19th century PenaPalace and the National Palace of Portugal, the summer residence of the Portuguese kings.

Pena Palace is arguably the showcase.  Though regarded as one of the “Seven Wonders of Portugal,” it hasn’t always been the luxurious structure it is today.  For hundreds of years it was little more than a modest meditation site for a maximum of 18 monks.

The magical colors of Pena Palace, Sintra
The magical colors of Pena Palace, Sintra

Natural disasters, including an earthquake and lightning, left the former monastery in ruins during the 18th century.  Only the chapel with its marble and alabaster works of art survived.  It wasn’t until the middle of the 19th century when reconstruction began to give PenaPalace the appearance it has today.

Among the elements requested by King Ferdinand and Queen Maria II, who began the rebuilding process, were medieval and Islamic aspects of architecture along with vault arches and an ornate window over the main façade.  Vibrant red and yellow colors added flair to the palace that distinguishes it even today.  The elaborate decorations combined with the intentional mixture of architectural designs have made PenaPalaceone of Portugal’s most popular destinations for visitors.

Interiors are surprisingly small considering the massive exterior.  Corridors and doorways were cleverly designed to slow the pace of surging invaders.  Each room has been lovingly appointed to the extent that the furnishings convey an ambience of habitation even though the palace has not been occupied for decades.  In fact, the elaborate extent of the décor may rival any historical monument of similar distinction in the world.

PenaPalace is only the beginning, however.  Sintra also features the Castle of the Moors,MonserratePalace, PenaNationalPalace, SeteaisPalace, Quinta da Regaleira and theSintraNationalPalace as well as countless gardens and parks that make it a horticultural haven.

Access to Sintra from Lisbon couldn’t be easier, and it is also inexpensive.  A ticket on one of the frequent trains from Rossio Station costs about 4 euros.  Take the train to the end of the line.  In Sintra, bus #434 provides regular service from the front of the railway station to most of the sights in town.  Buses are approximately 2 euros.

Hardier travelers can take a delightful walk along the hillside into the main village, but once there, it is advisable to catch a bus up to the palaces and castles.

Sintra is not a place to be rushed.  Plan to spend the day, enjoy a relaxing lunch and relish all that it has to offer.

WashingtonTimes.com  By: Bob Taylor