Descobrir Portugal

Lá fora o céu está azul e o sol brilha com força. É o auge do verão europeu e Lisboa parece outra cidade. O trânsito está incrivelmente calmo, o metro meio vazio e por toda a baixa lisboeta há estrangeiros carregando mochilas e malas. Os habitantes da capital fugiram para algures e uma horda de turistas ocupou a zona histórica das sete colinas.

É difícil trabalhar em agosto, quando todas as decisões sérias ficam adiadas para o mês seguinte, quando os jornais preenchem páginas e páginas com guias sobre ‘as melhores praias’ e quando há festas e festivais por todo o país. Mas fazemos o esforço, pelo menos durante os dias úteis. Já as noites, constatei ontem, em plena segunda-feira, quando fui dar uma voltinha pelo Bairro Alto (a zona boêmia) estão para lá de animadas, com restaurantes e bares lotados e música por todo o lado. Gosto do clima cosmopolita lisboeta, mas nessa época a mistura de idiomas pelas ruas até nos faz duvidar de qual língua se fala aqui.

Se Lisboa é destino cada vez mais procurado por europeus de norte a sul, quem vive aqui o ano

todo quer mais é fugir nos dias tórridos de verão. Acompanhemos o movimento e nos fins-de-semana lancemo-nos à descoberta de Portugal. Uma boa opção para quem tem espírito jovem são os festivais por todo o país. O Sudoeste, o maior de todos, por exemplo, trouxe esse ano Vanessa da Mata como uma de suas atrações de destaque. A onda é montar a barraca no camping do evento ou em algum outro nos arredores, aproveitar a bela praia da Zambujeira do Mar, na costa alentejana, e dançar nos shows que começam a noite e seguem pela madrugada adentro durante quatro dias. Estive lá no ano passado, achei muito organizado, mas há que se ter uma certa disposição para passar tanto tempo ao lado de milhares de pessoas. Por isso, esse ano preferi um festival mais tranquilo e troquei o litoral pelo campo rumo às matas verdes e montanhas da região da Beira, em São Pedro do Sul. No Andanças há oficinas de mais de meia centena de danças diferentes do mundo todo durante o dia e bailes com ritmos os mais diversos durante a noite. Há ainda passeios ecológicos, termas e banhos em rios de água translúcida.

Para além dos festivais, recomendo um giro pelas praias do Alentejo e da Costa Vicentina (no oeste do Algarve). O sul algarvio, famoso em toda a Europa, há muito foi tomado por um turismo de massas, mais caro e sofisticado (embora nem sempre de bom gosto), enquanto essas duas regiões ainda têm um certo ar selvagem e natural, boa comida, paisagens belíssimas e lugarejos simpáticos como Porto Corvo, Vila Nova de Mil Fontes e Zambujeira do Mar. É mesmo difícil trabalhar durante o verão europeu…

Relatos de duas brasileiras em terras lusas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s